Skip to content

Martyn Lloyd-Jones e a “desordem divina”

25 de novembro de 2011

Martyn Lloyd-Jones (1899-1981) é considerado por muitos uma das vozes cristãs mais respeitadas na Igreja do século XX. Por quase 30 anos, ele ministrou na Westminster Chapel de Londres e foi um dos principais opositores da teologia liberal que ameaçava o Cristianismo em sua geração. Em sua obra ‘Revival’ (Avivamento), Lloyd-Jones aborda a questão das manifestações espirituais presentes em avivamentos.

Martyn Lloyd-Jones

Isso acontece nos avivamentos, e nos deixa intrigados: uma estranha mistura entre uma grande convicção de pecados e grande alegria, uma sensação tremenda de terror diante do Senhor, e ao mesmo tempo ação de graças e louvor. Um avivamento sempre é acompanhado de algo chamado “desordem divina.” Alguns agonizam e gemem sob convicção de pecados e outros louvam a Deus por tão grande salvação. […]

Falemos agora a respeito de uma questão delicada: a dos chamados “fenômenos” que algumas vezes se manifestam nos avivamentos. Novamente digo que há muita variação aqui. Algumas vezes, um avivamento se manifesta de forma poderosa e mesmo assim se dá de forma mais ou menos tranqüila. É marcado por emoções profundas. Pessoas se convertem em grandes números, mas de forma tranqüila. Mas nem sempre é assim.

Na verdade, é quase uma regra dos avivamentos que tais fenômenos se manifestem: homens e mulheres que não somente são convencidos de seus pecados, mas que são tomados por uma agonia com relação ao seu pecado. Eles não somente enxergam que são pecadores e que precisam crer no Salvador, mas tal convicção vem sobre eles ao ponto de enfermá-los fisicamente. Eles entram literalmente em agonia de alma. […]

As pessoas estão em agonia de alma e gemem. Às vezes, choram copiosamente e agonizam de forma audível. Mas o processo nem sempre termina aí. Às vezes, as pessoas são tomadas de tal convicção de pecados e sentem o poder do Espírito de tal maneira que desmaiam e caem no chão. Às vezes, há até mesmo convulsões, convulsões físicas. E às vezes, as pessoas parecem perder seus sentidos, entrando em uma espécie de transe, permanecendo neste estado por horas.

Bem, tudo o que mais desejo neste momento é lembrá-los dos fatos. Eles variam. Estes fenômenos podem estar presentes ou não, mas geralmente, você verá coisas deste tipo em avivamentos. […] Estes fenômenos não são essenciais para um avivamento. Devemos sempre nos lembrar disso. Podemos ter avivamento sem estes fenômenos, mas é correto dizer que, geralmente, tais fenômenos tendem a estar presentes em avivamentos.

Extraído da obra de Martyn Lloyd-Jones ‘Revival’- pp. 103, 110-111, 134. Traduzido por @paoevinho.

Anúncios
5 Comentários
  1. Esdras Coelho permalink
    25 de novembro de 2011 13:14

    Huuuuuuuuuuuuugo mermão!!! Tô procurando esse livro em português cara!! Tem o do Jonathan Edwards, q se não me engano fala do assunto tbm…brigadão por compartilhar isso!

  2. 25 de novembro de 2011 16:20

    A frase:”Um avivamento sempre é acompanhado de algo chamado desordem divina”; sintetiza bem o assunto. Gostei!

  3. 25 de novembro de 2011 20:43

    @Edu Lopes: Também achei genial. Como você mesmo disse, a agua é limpa, mas o jarro é de barro. Perfeito. E com medo desta ” desordem divina” muitos se fecham ao avivamento. Penso que o dom de discernimento de espiritos serve como uma grande peneira que Deus nos dá para momentos como esse.

  4. 27 de novembro de 2011 11:09

    Meu amigo Ezequiel Netto disse: “O Espírito Santo não é um animal xucro que precisa ser domesticado”. Muitos acreditam que precisam manter as rédeas curtas, para que as coisas não fujam ao controle.

  5. cristina permalink
    27 de novembro de 2011 13:22

    MUITO BOM , SABEMOS BEM QUE O AVIVAMENTO GERA EXCESSOS , JÁ FUI ABENÇOADA PARTICIPANDO DE OCASIÕES COMO ESSAS. E ACREDITO QUE TODOS OS CRISTÃOS DEVEM ORAR POR UM AVIVAMENTO, ASSIM COMO O PROFETA HABACUQUE OROU. EU ORO:” SENHOR , CONTINUE ME DANDO A SABEDORIA PARA RECONHECER A DIFERENÇA …

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: