Skip to content

Pode o Cristão Tomar Bebida Alcoólica? – Parte 1

20 de outubro de 2009

As Escrituras dizem que o amor edifica e o saber ensoberbece (1 Cor. 8:1). Ao publicar este artigo não quero ser desrespeitoso com aqueles que optam pela abstenção de álcool, tampouco ser insensível com aqueles que vêm do alcoolismo. Trabalho com ex-viciados em drogas e em álcool e sou testemunha ocular do estrago que o abuso destas substâncias pode fazer na vida e na família destes indivíduos. Minha única intenção é humildemente incentivar o diálogo aberto e a tolerância baseados em uma análise imparcial daquilo que as Escrituras dizem a respeito do assunto (sem tabus humanamente criados), além de uma perspectiva “missionária” sobre o consumo do álcool, baseada naquilo que tenho observado na vida de cristãos de outras culturas, em outros países.

vinhoO cristão que toma bebida alcoólica, por menor que seja a quantidade, está desagradando a Deus? É menos “espiritual” do que aquele que radicalmente não coloca nenhum tipo de bebida fermentada ou forte na boca? Antes de responder a esta questão, é importante identificar o que a Bíblia nos diz a respeito da bebida alcoólica, desfazendo-nos de todo dogma e preconceito a respeito do assunto.

O Vinho na Cultura Judaica

Três tipos de vinho eram livremente degustados pela comunidade judaica nos tempos bíblicos:

תירש ou tiyrosh era o vinho novo, recém extraído da uva, com pouca ou nenhuma fermentação – traduzido como “mosto” ou simplesmente “vinho” (Nm 18:12, Dt 18:4, etc). Era equivalente ao suco de uva ou ao vinho de baixíssima fermentação.

יין ou yayin era o vinho “maduro” e fermentado (Gn 14:18, Dt 14:26, Ec  9:7, etc). Yayin era diluído na proporção de uma porção de água para cada três porções de vinho1 . Importante salientar que mesmo com a adição de água, yayin deveria estar fermentado o suficiente para não virar suco de uva, quando já não seria mais considerado vinho (para o judeu, vinho é vinho, suco de uva é suco de uva). Por seu teor alcoólico (de 3% a 5%), seria equivalente ao vinho tinto de baixa fermentação e à cerveja dos dias atuais (cujo teor acoólico é de aproximadamente 5%).

שכר ou shekar é traduzido como “bebida forte” nas Escrituras, o vinho mais antigo e portanto com um teor mais elevado de fermentação (Nm 28:7, Dt 14:26, etc). Era ingerido puro, sem nenhuma adição de água2 . Pesquisas científicas indicam que as uvas são unicamente dotadas de elementos químicos naturais capazes de fermentar ao nível de 12% a 14% de teor alcoólico sem nenhuma adição de açucar, ácidos, enzimas ou outros elementos3. Portanto, o teor alcoólico de shekar era de aproximadamente 12% – 14%, equivalente ao dos vinhos secos atuais.

Nada na Lei de Moisés proibe a ingestão de nenhum dos três, apesar de condenar seus excessos.

Os filhos de Arão não podiam tomar vinho ou bebida forte ao adentrarem na tenda da congregação (Lv 10:9), assim como os judeus em geral abstinham-se de vinho e bebida forte durante um período específico de consagração. Os nazireus também se abstinham de álcool, entre outras coisas (Nm 6:3), mas quando seu voto terminava, o nazireu podia beber vinho (Nm 6:20).

Em situações normais, não havia tabus ou proibição alguma quanto a estes elementos na cultura judaica.

Quando o caminho te for comprido demais, que os não possas levar, por estar longe de ti o lugar que o SENHOR, teu Deus, escolher para ali pôr o seu nome, quando o SENHOR, teu Deus, te tiver abençoado, então, vende-os, e leva o dinheiro na tua mão, e vai ao lugar que o SENHOR, teu Deus, escolher. Esse dinheiro, dá-lo-ás por tudo o que deseja a tua alma, por vacas, ou ovelhas, ou vinho, ou bebida forte, ou qualquer coisa que te pedir a tua alma; come-o ali perante o SENHOR, teu Deus, e te alegrarás, tu e a tua casa … (Deuteronômio 14:24-26)

Note que os judeus não tinham pudores em beber um copo de יין (yayin) ou até mesmo שכר (shekar) diante do Senhor. Excessos e desvios à parte, este e outros vv. nos ensinam que o Senhor tem prazer nas alegrias de nossa alma, no pleno desfrute e usufruto daquilo que Ele nos dá. Portanto, não precisamos adotar um rigor ascético para agradar o Senhor porque Deus se alegra conosco em nossos momentos de descontração, desde que sejamos regrados, tenhamos auto-controle e uma sólida comunhão com Ele.

Jesus e o Vinho

As Escrituras nos deixam claro que Jesus tomava vinho fermentado. Os religiosos de seu tempo o criticavam pelo fato de ele se juntar com os pecadores de seu tempo para comer e tomar vinho com eles. Se Jesus tomasse somente suco de uva, jamais o teriam chamado de οινοποτης – oinopotes (literalmente “bêbado”, traduzido em Mt 11:19 e Lc 7:34 como “tomador de vinho”).

Na ocasião em que Jesus transformou água em vinho (Jo 2), a palavra usada na escritura em grego é οινος / oinos, equivalente ao  yayin – vinho fermentado do Antigo Testamento.

Os judeus sempre foram apreciadores de um bom vinho e, sendo assim, no episódio de Jo 2, o “vinho bom” jamais poderia ter sido “suco de uva”, e sim vinho fermentado, que tinha poder para embriagar. Justamente por isso esse era o vinho que primeiro era servido de modo que, depois de já embriagados (v. 10)4, os convidados não perceberiam que estavam tomando suco de uva ou mosto de baixa fermentação (tiyrosh). Se Jesus tivesse produzido tiyrosh, não haveria razão nenhuma para o espanto do mestre-sala. Mas quando se deparou com vinho de verdade já no fim da festa, o mestre-sala se admirou e disse que aquele era o vinho que deveria ter sido servido primeiro.

Portanto, é mais do que óbvio que o que Jesus produziu de fato foi vinho fermentado e não suco de uva.

Conclusão

O que as Escrituras condenam é a embriaguez, não o consumo moderado de álcool. É importante salientar que no caso do vinho, em particular, é comum para muitos cristãos tomar uma taça juntamente com a refeição. O vinho não serve para matar a sede, mas é como aquela porçãozinha de azeitonas e/ou salame picado servidos antes da refeição em algumas regiões do Brasil: serve somente como “aperitivo”, para ser degustado e não para encher a barriga.

Na segunda parte deste estudo, falaremos sobre as bebidas alcoólicas atuais (fermentadas e destiladas) e sua equivalência / discrepância com o vinho e a bebida forte dos tempos bíblicos. Abordaremos também a questão de como o álcool pode ou não abalar nosso testemunho cristão, e de como é visto por cristãos de outras culturas.

Notas

[1] Jewish Encyclopedia, pp. 532.
[2] Ibid., pp. 533.
[3] Norman Potter & Joseph Hotchiss, Food Science, p. 449.
[4] A expressão “beber fartamente” ou “beber bem” de Jo 2:10 é uma má tradução do original grego μεθυω (methuo), que quer dizer literalmente “estar bêbado” ou “embriagar-se”. Por alguma razão, os tradutores das versões em português tentaram atenuar a literacidade do verbo em Jo 2:10, mas o mesmo vocábulo é usado em diversas outras passagens das Escrituras traduzido de forma literal: embriagar-se (ver Mt. 24:29, At. 2:15, 1 Co 11:21, 1 Ts 5:7, Ap 17:2 e Ap 17:6).


© Pão & Vinho

Este artigo está sob a licença de Creative Commons e pode ser republicado, parcial ou integralmente, desde que o conteúdo não seja alterado e a fonte seja devidamente citada: http://paoevinho.org.

Anúncios
19 Comentários
  1. Adriana Helena permalink
    13 de abril de 2010 13:12

    Outro tema polêmico entre os “pastores” que preferem não admitir que o pecado está em embriagar-se do que falar a verdade… É muito triste o que temos visto nas “igrejas” nos dias de hoje: hipocrisia. Os homens querem estar no lugar de Deus prevendo que se falarem a verdade muitos vão se corromper… Deus não mente! Nós sabemos quem é o pai da mentira. Luto pela verdade!!!

  2. Moreira permalink
    21 de maio de 2010 16:49

    RESPOSTA PARA:
    Pode o Cristão Tomar Bebida Alcoólica?

    Na Bíblia, Deus nunca aprova de bebidas alcoólicas. Vamos considerar o seguinte texto:

    Não beber vinho, nem bebida forte, nem tu, nem teus filhos contigo, quando entrardes na tenda da congregação, para que não morrais: [deve ser] um estatuto perpétuo pelas vossas gerações: E vós que pode colocar a diferença entre santo eo profano, e entre o imundo eo limpo, e que vos podem ensinar aos filhos de Israel todos os estatutos que o Senhor falou-lhes pela mão de Moisés. (Levítico 10:9-11)

    Observe como a abstinência de álcool é essencial para ser capaz de discriminar entre puros e impuros, o texto passa a ler-se:

    E Moisés falou a Arão, e a Eleazar e Itamar, seus filhos, que ficaram: Tomai a oferta de cereais que resta das ofertas do Senhor feita por um incêndio, e comei-a sem levedura junto ao altar, para ele [é] mais Santo: (Levítico 10:12)

    Quanto à proibição de fermento em todas as ofertas de Deus em Levítico 2:3-14, afirma o professor Moses Stuart:
    A grande massa dos judeus já entendido como uma extensão desta proibição ao vinho fermentado, ou bebida forte, assim como o pão. A palavra é essencialmente o mesmo que designa a fermentação de pão e de licores.

    Aqui podemos ver que o fermento (massa de pão fermentado) era considerado como a mesma da fermentação vínica, portanto fermentado do vinho, bebida forte, e fermento foram proibidas diante do altar do Senhor “, pois é mais sagrado.”

    A próxima passagem se lê:

    E tu deverás conferir esse dinheiro para alguma cobiça a tua alma, por vacas, ou ovelhas, ou vinho, ou bebida forte, e por tudo o que desejar a tua alma, e comerás ali perante o SENHOR, teu Deus, e tu alegrar, tu ea tua família, (Deuteronômio 14:26)

    Esses defensores de moderação no que diz respeito a bebidas intoxicantes pode sugerir que este texto de sanções e incentiva o consumo de cerveja e vinho alcoólico. Para ser justo, parece ser assim, mas este não é o caso. Ao analisar esta passagem vamos aprender que o livro de
    Deuteronômio nos fornece um exemplo perfeito do que se segue:

    (A) A compreensão correta das palavras genéricas, que são utilizados para “vinho” e “bebida forte”, respectivamente.
    (B) A correcta aplicação da lei do contexto.
    (C) Uma compreensão completa da visão de Deus sobre o assunto de beber.

    Agora, no retorno ao texto, veremos que a própria Bíblia refuta definitivamente qualquer sugestão alguma de que este texto aprova o uso de bebidas alcoólicas.

    Nós já aprendemos em nossos estudos que as palavras traduzidas por “vinho” yayin () e “bebida forte” (Shekar) aqui são genéricas, podendo referir-se a suco de uva fresca e uma bebida doce agradável que foi fermentado. Que tipo de bebida é este versículo se refere? Uma vez que pode-se argumentar que este texto pode ser interpretado de acordo com um viés de particular. A resposta é muito simples. Deuteronômio 29:6 explica:

    não comeu pão, nem vós bebestes vinho nem bebida forte: para que saibais que eu [sou] o Senhor teu Deus. (Deuteronômio 29:6)

    Aqui esta passagem prova que o “vinho” e “bebida forte” no capítulo 14:26, não pode ser o mesmo que mencionei aqui! O texto inspirou mais tarde passa a explicar, em termos inequívocos exatamente que tipo de vinho que os judeus beberam. Lê-se:

    Manteiga de vacas e leite das ovelhas, com a gordura dos cordeiros e dos carneiros que pastam em Basã e dos cabritos, com a gordura dos rins do trigo; e bebeste o sangue puro da uva. (Deuteronômio 32:14)

    Aqui, Moisés nomes entre as muitas bênçãos do Senhor, o suco de uva puro e fresco, conhecido como “o sangue da uva”, que era muito apreciado. Vamos agora dar uma olhada em alguns comentários sobre isso. afirma Adam Clarke Commentary:

    Vinho tinto, ou o suco puro de qualquer cor, expressas a partir das uvas, sem adulterações ou misturas com água: sangue aqui é sinônimo de suco. Isso sugere que as suas vinhas deve ser do melhor tipo, e seu vinho em abundância, e do delicioso sabor mais.

    O reverendo B. Parsons também dá uma explicação interessante:

    Red foi considerado o melhor sumo; puro, que era fermentado, e não misturados; grossa que tinha sido cozida ou spissated, ou melhor, que o suco era muito grosso, sacarina, ou sirupy. O texto, portanto, significa bebeste a mais pura, doce, e as mais ricas do sangue, ou suco de uva.

    Assim aprendemos a partir de análise destas três passagens (Deuteronômio 14:26, 29:6, 32:14) que os filhos de Israel em sua peregrinação no deserto foram abençoados com as delícias melhores e mais nutritivos de Deus. Eles não comem pão, como parte de sua dieta regular, mas fomos abençoados com o maná (Dt 8:3,16; 29:6). Eles não bebem vinho intoxicante (Deuteronômio 29:6), mas beberam o suco, doce e agradável fermentado de outras frutas (Deuteronômio 14:26).

  3. Hugo permalink*
    26 de maio de 2010 20:47

    Olá, Moreira. Em primeiro lugar, obrigado por seu comentário.

    Desculpe pela demora em respondê-lo. Vou tentar ser o mais específico possível às suas colocações:

    Os textos que você citou em que se proibe o consumo de álcool se referem somente a duas situações: quando os descendentes de Arão entravam na tenda da congregação e nas ofertas dadas ao Senhor. Fermentação era simbólico de pecado, razão pela qual nenhuma oferta podia conter fermento (na Páscoa os pães também tinham que ser asmos). Mas na verdade essa era a excessão e não a regra. Fora destas ocasiões, o judeu podia beber vinho (yayin) e bebida forte (shekar). Se as proibições acima fossem a regra e não a excessão, eu e você também estaríamos proibidos de comer pão fermentado, correto? 🙂

    Vinho (yayin) e bebida forte (shekar) não são palavras meramente genéricas ou intercambiáveis, como você sugere. No hebráico as duas palavras possuem significados distintos, e são bem específicas quanto ao seu significado. Não pretendo citar aqui a diferença entre as duas novamente (por favor leia meu texto e faça referências diretas aos meus pontos), a única coisa que quero lembrar e enfatizar é que tanto shekar quanto yayin são totalmente distintos de tyrosh, que é o suco de uva puro, sem fermentação. Meu texto traz a explicação do que cada destas palavras significa. Cito inclusive a Enciclopédia Judaica como uma de minhas fontes, que nos esclarece muito bem quanto ao teor alcoólico destas bebidas.

    Qualquer pesquisador sabe que nunca houve nenhuma proibição quanto ao consumo de vinho fermentado entre os judeus. Até os dias de hoje, o vinho faz parte da cultura judaica. A lei seca foi, na verdade, uma invenção da Igreja gentílica.

    Na defesa de seu ponto, você acaba citanto Dt 29:9 fora de seu contexto. Leia toda a passagem com atenção e veja que o contexto faz menção ao fato de Deus ter provido Israel de forma sobrenatural durante sua caminhada no deserto. Em outras palavras, eles não tomaram vinho nem pão no deserto porque tais são produtos da terra. Eles foram sobrenaturalmente supridos com água da rocha e maná dos céus para que esta geração soubesse que o Senhor era seu Deus. Assim, na verdade o que o texto ressalta é o milagre da provisão, e não uma proibição do consumo de pão ou de vinho ou a existência de um suposto mérito na abstinência destas coisas.

    Se Dt. 29:9 pudesse ser usado para proibir o consumo de vinho ou ressaltar algum mérito em sua abstinência, então o mesmo se aplicaria igualmente ao pão fermentado (!!!). E por acaso você já viu alguém que diga que é mais santo somente porque se abstêm de pão fermentado? 🙂

    Portanto, não há nada nas Escrituras que possa contradizer a literacidade de Dt. 14:26 que afirma claramente que os judeus tomavam vinho fermentado e bebida forte NA PRESENÇA DO SENHOR.

    Quanto a expressão “sangue puro da uva”, no hebraico dam é uma expressão figurada que se refere especificamente ao “sangue” da uva. Mas este “sangue” pode ser fermentado ou não. E o próprio texto deixa claro que se trata de vinho (fermentado): a palavra a seguir – traduzida no portugues como MOSTO – é no hebraico chemer (vinho). Esta palavra somente aparece duas vezes em toda a Tanach: no texto que você citou (Dt 32:14) e em Is 27:2. Chemer (vinho) vem de chamar, que quer dizer “produzir espuma ou fermentar”. Portanto, está claro no hebraico que se trata de bebida fermentada.

  4. LOURIVAL permalink
    3 de novembro de 2010 9:55

    NO TEXTO EXISTE UMA INFORMAÇÃO ERRADA DE QUE O VINHO NOVO ERA CONSIDERADO IGUAL TEOR DO SUCO DE UVA, NÃO É VERDADE , SOU PRODUTOR DE VINHO E O VINHO NOVO É O MAIS FORTE E CHEGA MESMO E PROVOCAR CALOR INTESTINAL,( DIARRÉIAS), NO ENTANTO LONGE DE PENSAR QUE A BÍBLIA SE CONTRADIZ E A PALAVRA DE DEUS NÃO PODE SER COMPREENDIDA, CONSIDERO QUE DA MESMA FORMA QUE OS FUNDADORES DA IGREJA PROTESTANTE TOMAVAM UMA BOA CERVEJA LÁ NA ALEMANHA,”HOJE EM DIA POUCOS CRISTÃOS NÃO SABEM DISSO, POIS NÃO SE ESTUDA MAIS NADA A CERCA DE MARTINHO LUTERO E FELIPE MELANCTHOM, JOHN GUSS E COMPANHIA”, ACHO QUE MESMO OS CRISTÃOS QUE AO TOMAREM UM BOM VINHO E UMA CERVEJA NÃO ESTIVEREM CAUSANDO TROPEÇO AOS SEUS IRMÃOS MAIS FRACOS NA FÉ, PODEM FAZE-LO E O JULGAMENTO FIQUE AOS CRITÉRIOS DE DEUS, E NÃO NAS MÃOS DOS HOMENS, “POIS COMO SE DIZ QUE COM O MESMO CRITÉRIO QUE JULGARDES SERÁS JULGADO” CASO CONTRARIO ESTAREMOS AGINDO COMO TESTEMUNHAS A FAVOR DO DIABO E NÃO DE DEUS. O QUE ENTRA PELA BOCA DO HOMEM NÃO O PREJUDICA MAS SIM O QUE SAI ENTÃO QUEM BEBE DEVE CUIDAR PARA QUE O QUE SAIR DA SUA BOCA NÃO O PREJUDIQUE.

  5. LOURIVAL permalink
    7 de novembro de 2010 12:34

    LEVANDO EM CONTA QUE AS NESCESSIDADES FISICAS TALVEZ NÃO ESTEJAM MAIS PRESENTES NAQUELE DIA, PORTANTO NÃO SERÁ NECESSARIO TRANSFORMAR A AGUA EM VINHO JÁ QUE NÃO HAVERÃO MAIS CASAMENTOS LÁ NO CÉU, MAS E SE NO DIA QUE VOCE CHEGAR LÃ SE DEPARAR COM UMA CEIA, COMO AQUELA QUE JESUS FEZ NA NOITE EM QUE FOI TRAÍDO E ESTIVER ALI COLOCADO UM CALICE COM VINHO, ELE MESMO DISSE QUE NÃO O TOMARIA DE NOVO ATÉ AQUELE DIA DAS BODAS LÁ NO CÉU, SERÁ QUE VOCE PENSARIA QUE CHEGOU AO LUGAR ERRADO??

  6. 7 de setembro de 2011 23:02

    GRAÇA E PAZ DA PARTE DE NOSSO SENHOR E SALVADOR JESUS CRISTO !

    EM PRIMEIRO LUGAR QUERO PARABENISAR AO AUTOR DESTE SET , PELO SEU DESEMPENHO AO NOS
    MOSTRAR AQUILO QUE SEM DUVIDA É PEDRA DE TROPEÇO A MUITOS AO ABORDAR UM ASSUNTO
    DE TAMANHA IMPORTÂNCIA . SOU CRISTÃO E SEMPRE TIVE O ENTENDIMENTO QUANDO SE REFIRIA AO VINHO E BEBIDAS FORTES . PORÉM SEMPRE FIZ USO DO MESMO E ATÉ OUTRAS BEBIDAS , EM DEGUSTAÇÃO MESMO PORQUE SOU COZINHEIRO E ALGUMAS VEZES TEM QUE HAVE A HARMONIA ENTRE OS DOIS . NUNCA ENTENDI COMO É TÃO CAÓTICO TAL ASSUTO EM ‘ IGREJAS ‘ ,SOMENTE DIZEM É PROIBIDO E PRONTO . AS VEZES ATÉ ENTENDO QUE SE FOR FALADO DE PULPITO APOS O CULTO HAVERÁ MUITOS ENCHENDO A CARA , POR OUTRO LADO MUITOS ENCHEM DO MESMO JEITO, É PRECISO ENSINAR OS CRENTES A TEREM AUTODOMÍNIO , ISSO SIM É COERÊNCIA .
    TAMBÉM AOS ESSÊNIOS TEMOS QUE FAZER COMO PAULO DIZ AOS FRACO NA FÉ , DEVEMOS SER CUIDADOSOS PARA NÃO OS CAUSAR ESCANDALOS .

  7. Antonio Duarte permalink
    2 de fevereiro de 2012 0:14

    Finalmente encontrei mesmo que aqui na internet, alguem, cristão, crente, em Jesus Cristo como eu, que sabe a verdade da palavra de Deus, a respeito de bebidas alcolicas!
    voce explicou tudo aqui irmão! e a luz da bíblia!
    a luz da bíblia! PARABENS ! por esta materia irmão! glórias a Deus por isso!

  8. Antonio Jr permalink
    17 de fevereiro de 2012 12:20

    Muito bom mesmo, sua reflexão.

  9. antonio carlos soares permalink
    2 de maio de 2012 7:38

    o senhor jesus cristo deu sua vida por nos. ele mesmo degustou de forma consciente de bons vinhos, eu ainda não vi nas escrituras o beber ou não como mandamento. acredito que isso e mas uma estrateja do inimigo para causar divisão.as mesmas pessoas que dizem que o crente não deve beber muitas veses não praticam o que o senhor deixou como mandamento O AMOR

  10. fabricio pacheco toledo permalink
    25 de junho de 2012 15:10

    a paz irmao ugo, eu ja fui um beberrao, e deveria ser um dos protestandes radicais sobre esse assunto,mas o SENHOR me libertou e me deu entendimento.Depois de ver tantos sites comentando a distorcao da biblia, pegando textos sem contextos e palavras dificeis para quererem dizer que o vinho é pecado,ou era suco.Com muito custo achei vc em meio a tantas criticas,e vc deu uma aula daquilo que eu ja estava ate escrevendo e vc postou ai justamente o mesmo que eu penso, incrivel. estou escrevendo sobre o vinho desde o momento que tive uma discursao sadia com um amigo que disse que o vinho é do diabo e eu disse a ele: cuidado com suas palavras, assim é a mesma coisa de dizer que JESUS pecou; Eu venho estudando sobre o assunto e versiculos biblicos que relatam o vinho com “alcool”. Li dentro da palavra que era costume do povo judeu ter o vinho junto das alimentacoes sem qualquer constrangimento, porque era comum,costume. Li tambem,que o vinho e bebida forte em festas perante ao SENHOR LHE era agradavel, e li tambem DEUS amaldicoando o vinho daqueles que nao queriam andar conforme a SUA palavra, nao so o vinho mas tudo era amaldicoado, e outra palavra que li é o filho de DEUS sentando na mesa de pecadores , comendo e bebendo com eles, sem se preocupador o que diriam os de “fora” sobre ele , ate aqueles que se diziam serem de “deus”. O problema é que a religiao “farisaica” existe ate hj com suas leis severas aonde o SENHOR nao tem autoridade, sao as leis dos homens “religiosos” e nao de DEUS.”MISERICORDIA EU QUERO E NAO SACRIFICIOS”. a paz do SENHOR JESUS a todos.

  11. Fátima Rejane Oliveira de menezes permalink
    25 de novembro de 2012 15:18

    Imagine se, alguém que tem problemas com o álcool e, entregou sua vida pra Jesus, derrepente sabe que Deus não condena a bebida forte? Precisamos ter muito cuidado e responsabilidade com o que dizemos está escrito na Biblía.

  12. 27 de novembro de 2012 19:15

    @Fátima Rejane Oliveira de menezes: O que está escrito, esta escrito. Se não gostou, reclame com o Autor da Escritura. A Bïblia deve ser nosso único guia de fé e conduta, não tradições de homens. Não cabe a nós estabelecer limites ao nosso próximo por meio de doutrinas legalistas. Cabe-nos somente ensinar a Verdade que a BIBLIA (não dogmas humanos) nos revela e ensinar os discipulos a buscar o dominio próprio disponivel em uma vida no Espirito, não em tabus biblicamente infundados.

  13. CARLOS SILVA permalink
    28 de fevereiro de 2013 17:18

    Todo ser humano foi predestinado para glorificar o nome de Deus e morar com Ele para sempre. Devido ao pecado de Adão o inimigo recebeu direito legal para atuar em nossas vias, fazendo-nos sevos do pecado. Deus planejou a nossa salvação e todo aquele que aceita e entrega a sua vida para Jesus, se torna escravo de Cristo. Conhecemos a verdade e ela nos liberta (já não somos obrigados a pecar). Estamos protegidos mas enquanto estivermos neste mundo, ainda temos um inimigo que nos quer derrotar. Se ficarmos na presença de Deus e obedientes à sua Palavra (salmos 91), estamos protegidos.O inimigo tem os seus soldados. Alguns dos soldados dele são estes produtos que contém substâncias que viciam o nosso organismo e ou nossa mente. Josué qdo ia entrar na terra prometida disse ao povo: matem todos os seus inimigos pois se ficar um só que seja, ele pode jogar voces para fora da terra da promessa. Não devemos achar bonito o uniforme do soldado do inimigo. Se fizermos isso, ele tem poder para nos dominar completamente e nos jogar para fora do caminho dos céus que é o seu objetivo. A pessoa fica olhando o vinho fermentado no copo, acha bonito, vê uma caixa de bebida fina, acha que ela vai enfeitar a sua casa e vai sendo dominada, pois o inimigo normalmente associa este produtos a situaçoes agradáveis, daí por diante começa a queda. LEIA EZEQUIEL 23. Aquilo vira um gigante na vida da pessoa. Deus diz: Eu visitarei a maldade dos pais nos filhos até a 3 e 4 geração daqueles que me aborrecem, ou seja, você toma atitudes maldosas contra o seu próprio corpo, aí você parte, mas Deus que é bom é quem vai acompanhar o sofrimento de seus filhos, netos, etc… Deus se preocupa mais com os seus descendentes do que voce mesmo. Por ex. qto à ingestão de alcool, o nosso organismo não tem como eliminar o etanol, e ele passa por todos os orgãos do nosso corpo, causando estragos e também transmitindo defeitos genéticamente para os nossos descendentes e Deus não quer que isto aconteça. Sejamos prudentes e nos desviemos do mal, enquanto há tempo. Obrigado pela oportunidade. Deus abençoe

  14. 10 de março de 2013 2:44

    Quanto achismo e pseudo-ciência neste comentário acima … Eu fico impressionado como as pessoas conseguem entrar aqui, escrever um monte de coisa e não ler NADA do que foi escrito no artigo. Gente, por favor, deixem de PAPAGAIAR e pensem com o próprio cérebro. Deixem de repetir doutrinas velhas e tabus como um disco furado. LEIAM O TEXTO, por favor. Certas objeções postadas já foram respondidas no artigo com base nas Escrituras. Parem de JOGAR uma escritura contra a outra, parem de se esconder atrás de argumentos religiosos e se tiverem alguma objeção ao texto, RESPONDAM de forma inteligente, demonstrando que pelo menos leram o artigo.

  15. Ednardo permalink
    29 de julho de 2013 11:53

    parabéns pelo artigo!

  16. Raquel permalink
    3 de agosto de 2013 13:05

    @Fátima Rejane Oliveira de menezes: Temos que ter cuidado com muita coisa pra não contaminar as pessoas: Saber falar, saber escutar, saber estudar, saber se comportar, saber apreciar um bom vinho…Nunca tive o habito de beber, minha familia na maioria bebem sem limites, e seus comportamentos diverços fica precario, eu bebia uma taça de vinho de vez enquando com meu ex marido”francês”,um chop raramente, uma latinha de cerveja rarissimamente, nunca paguei mico por isso. A não ser qndo eu tinha 21 anos e tomei 3 chops e ria sem parar e quem tava comigo me levou pra casa dizendo que eu tinha que parar e tomar banho”corretissimo”. Ano passado, eu ja com 37 anos me converti, sou de cristo, e minha Igreja realmente não aceita a bebida, desde entao nao bebo mais. Mas Lendo e estudando a biblia, nao acho nada a respeito. Logo o autor inicial deste esta corretissimo. Tem muita gente deixando a ignorancia tomar conta de seu coraçao. Eu até tenho vontade de apreciar novamente um bom vinho, mas vou esperar um sinal do senhor pra que eu haja de forma limpa.

  17. Raquel permalink
    3 de agosto de 2013 13:12

    Mas ja deixo bem claro que no meu ponto de vista e no ponto de vista de Deus nas escrituras, simplesmente existiu as duas excessoes. O caso no deserto é realmente bem claro que se trata da provisao. Detale: Mesmo não tendo um bom vinho e uma boa comida, Deus não deixou a desejar.

    Que O Espirito Santo ilumine minha mente me dando entendimento, não so para certos habitos como saber tomar um vinho, saber comer moderadamente, saber estudar disciplinadamente…como ter força e facilidade pra obedecer a todos os seus mandamentos, em especial o de amar ao proximo como a mim mesma. Confesso dificil mas não impossivel. E que nossa busca pelo senhor seja sincera e nao pra se mostrar melhor que o proximo.
    Deus nos abençoe!!!

  18. TATIANA permalink
    4 de novembro de 2013 15:01

    Gostei muito deste artigo, estou cansada de ouvir irmãos, dentro de uma ignorância sem limites, dizer que o vinho das bodas de Cana não tinha álcool, a bíblia disse: transformou água em vinho e não em suco de uva. Não bebo pois não gosto desde novinha, mas meu pai italiano e apreciador de bons vinhos sempre tomou um copo ou dois junto com a refeição e nunca pagou mico por aí. Deus não deseja que sejamos escravos de vícios, mas andando em Espírito saberemos discernir entre beber um copo de vinho durante a refeição, de usar o vinho como instrumento de recreação, correndo o risco de viciar-se.
    Que a paz de Nosso Senhor Jesus Cristo esteja com todos!

  19. TATIANA permalink
    4 de novembro de 2013 15:28

    Vai, pois, come com alegria o teu pão e bebe com coração contente o teu vinho, pois já Deus se agrada das tuas obras.
    Eclesiastes 9:7
    Este não é um versículo isolado fora de contexto como fazem uns e outros, mas aqui Salomão em sua velhice disse que deveríamos aproveitar a vida com alegria, pois desde que guardemos os mandamentos de Deus, podemos desfrutar a vida com moderação. Veja a sequência do capítulo:
    “Em todo o tempo sejam alvas as tuas roupas, e nunca falte o óleo sobre a tua cabeça.
    Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias da tua vida vã, os quais Deus te deu debaixo do sol, todos os dias da tua vaidade; porque esta é a tua porção nesta vida, e no teu trabalho, que tu fizeste debaixo do sol.”
    Eclesiastes 9:8-9
    Somos crentes em Cristo e não ascetas recalcados.

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: