Skip to content

O Pré-tribulacionismo e o Ladrão na Noite

27 de agosto de 2009

arrebatamentoComo vimos na Parte 2 desta série de estudos, a cronologia escatológica bíblica desfavorece totalmente a visão de um arrebatamento anterior à Grande Tribulação. Tampouco encontramos nas Escrituras alguma referência a uma vinda secreta de Cristo para arrebatar os seus antes da tribulação. Não há absolutamente nada na Bíblia que faça menção a um evento separado e distinto daquele que as Escrituras chamam de o Dia do Senhor, que será marcado por brados e trombetas, visível a todos os habitantes do planeta e que, portanto, de secreto não terá nada.

Uma das colunas de sustentação do pré-tribulacionismo é o fator surpresa. Certas passagens dizem que o Senhor virá como um ladrão na noite (Mat. 24:44, Lucas 12:40, 2 Ped. 3:10, Ap. 3:3, Ap. 16:15). Então, de acordo com os pré-tribulacionistas, Jesus necessita voltar a qualquer momento para que isso se cumpra. Ainda de acordo com essa lógica, se Cristo voltar após a Grande Tribulação, sua volta poderá ser calculada e o fator supresa “do ladrão na noite” se anula. Veremos.

A vinda do Senhor será uma surpresa para o mundo? Claro que sim. E para a Igreja? Não deveria ser. Em primeiro lugar, veremos que o Senhor Jesus anuncia que viria como um ladrão na noite após o aparecimento do Anticristo, às vésperas dos eventos que marcam o Armagedom:

Porque são espíritos de demônios, que fazem prodígios; os quais vão ao encontro dos reis da terra e de todo o mundo, para os congregar para a batalha, naquele grande dia do Deus Todo-Poderoso. Eis que venho como ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia, e guarda as suas roupas, para que não ande nu, e não se vejam as suas vergonhas. E os congregaram no lugar que em hebreu se chama Armagedom (Ap 16:14-16)

De acordo com a Escritura acima, o Senhor virá como um ladrão quando os reinos deste mundo estiverem congregados para a batalha no Armagedom. Isso automaticamente situa a volta do Senhor no final da Grande Tribulação. Para os santos de Deus isso não será nenhuma surpresa. Aqueles que não caírem pela espada, estarão assistindo estes eventos pela Globo ou pela CNN de joelhos, esperando pela redenção de seus corpos, que se dará após a ressurreição dos mortos em Cristo.

Além disso, Paulo também nos esclarece:

… o Dia do Senhor vem como ladrão de noite. Quando andarem dizendo: Paz e segurança, eis que lhes sobrevirá repentina destruição, como vêm as dores de parto à que está para dar à luz; e de nenhum modo escaparão. Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que esse Dia como ladrão vos apanhe de surpresa; porquanto vós todos sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite, nem das trevas. Assim, pois, não durmamos como os demais; pelo contrário, vigiemos e sejamos sóbrios. (1 Ts 5:1-5)

Portanto, a advertência de Paulo é no sentido de que vigiemos e sejamos sóbrios para que o Dia do Senhor não nos apanhe de surpresa. O Dia do Senhor virá como um ladrão para o mundo e para os religiosos que não estiverem preparados para sua volta. Mal 4:5 diz que este Dia será grande e terrível. Para a Igreja? Não, para o mundo. Do mesmo modo, o Dia do Senhor será uma surpresa para o mundo, mas não para a Igreja. O próprio Mestre nos ensina que o Dia do Senhor será como o dilúvio nos dias de Noé (Mat 24:37-39). O mundo no tempo de Noé foi pego de surpresa diante do dilúvio, mas Noé e sua família sabiam o que ia acontecer, e estavam preparados.

A primeira vinda do Senhor Jesus foi precedida por sinais e por profecia. Mas apesar de o evento não ter sido um segredo, a maior parte da nação estava adormecida espiritualmente e não percebeu o que estava acontecendo. Por isso, o Senhor Jesus criticou sua geração por não reconhecer os tempos em que viviam (Mat 16:3). Em outras palavras, na primeira vinda do Senhor, havia profecia e sinais aos quais Deus esperava que seu povo estivesse atento. Do mesmo modo, o Senhor nos ensina que sua segunda vinda será precedida por sinais, e nos instruiu a observá-los:

Aprendei, pois, a parábola da figueira: quando já os seus ramos se renovam e as folhas brotam, sabeis que está próximo o verão. (Mateus 24:32)

Antes da volta do Senhor, o mundo geopolítico terá que obrigatoriamente passar por mudanças. Do mesmo modo, a nação de Israel e a Igreja mudarão rumo à restauração de todas as coisas (Atos 3:21). Essas mudanças indicarão (e já indicam) que o Dia do Senhor se aproxima. Será como a chuva: ninguém sabe dizer a hora exata em que cairá sobre a terra, mas as nuvens e os ventos são claros indicadores de que uma tempestade se forma.

Malaquias 4:5 é uma profecia de duplo cumprimento. O Senhor faz referência a esta passagem para ensinar-nos que Elias (na pessoa de João Batista) já veio uma vez, e que viria novamente no futuro para restaurar todas as coisas (Mat. 17:10-11). Portanto, assim como João Batista anunciou a primeira vinda – no espírito e no poder de Elias (Luc. 1:17) –  uma companhia profética será levantada, no espírito e no poder de Elias, antes do Grande e Terrível Dia (Mal 4:5), para preparar os caminhos do Senhor e alertar a Igreja, Israel e o mundo a respeito de sua volta. Resta-nos apenas saber quem ouvirá e crerá em sua mensagem.

Este é o padrão de Deus ao longo de toda a narrativa bíblica. O Senhor nada faz em segredo. Diz a Escritura que Deus não fará coisa alguma sem antes revelar seu propósito aos seus servos, os profetas (Amós 3:7). Igualmente, também é um padrão bíblico que a mensagem profética seja aceita entre muitos pecadores, mas ignorada e até mesmo ridicularizada pelos religiosos. O espírito da profecia é o testemunho de Cristo (Ap. 19:10). Uma Igreja profética no final dos tempos não será pega de surpresa pelo “ladrão”. Infelizmente, não se pode dizer o mesmo dos ímpios e dos religiosos que não estiverem atentos aos sinais que precederão sua vinda.

Continua na Parte 4.

© Pão & Vinho

Este artigo está sob a licença de Creative Commons e pode ser republicado, parcial ou integralmente, desde que o conteúdo não seja alterado e a fonte seja devidamente citada: http://paoevinho.org.

Anúncios
7 Comentários
  1. Evelin Olívia Fróes permalink
    27 de agosto de 2009 12:27

    Aquele versículo do Apocalipse que você citou mostra claramente que demônios também fazem milagres, desmentindo o frei jesuíta e parapsicólogo Quevedo que diz em seu website que demônios não fazem milagres. Ora, o que foram aquelas imitações de Moisés realizadas pelos feiticeiros egípcios no Êxodo? E os prodígios e maravilhas (milagres) que o Falso Profeta vai realizar para enganar o mundo e fazê – lo adorar a Besta (o Anticristo)? Por isso eu penso e digo que devemos ter muito cuidado para quem vamos pedir intercessão… eu tenho um livro escrito por um espanhol entitulado “Os Santos Pagãos: Deuses ontem, Santos hoje”. Lendo esse livro identificamos a origem demoníaca dos santos católicos mais antigos, e não duvido que muitos católicos ao longo da História receberam milagres pedindo a intercessão desses ídolos, ao invés de pedir a Jesus Cristo, O nosso único Intercessor. Sem falar de um programa do canal italiano RAI ao qual certa vez assisti que mostrou os ex – votos da religião pagã romana em Roma mesmo. Gostaria que o frei Quevedo me explicasse aqueles ex – votos pagãos…

  2. Evelin Olívia Fróes permalink
    27 de agosto de 2009 18:58

    Lembrei do nome do autor do livro que citei: É Juan Garcia Atienza. Ele é especialista em simbologia e ocultismo. É possível encontrar suas obras na internet.

  3. Pedro Henrique permalink
    20 de outubro de 2009 9:56

    Olá, Hugo. Vejo seus textos muito equilibrados e bastante bíblicos. Tenho o acompanhado sempre que posso. Por favor, no parágrafo que você cita Malaquias 4:5, sobre a vinda de Elias, você vê que nestes últimos tempos se levantará uma voz profética, precedendo a 2º vinda do Senhor. Em sua concepção, essa voz seria uma pessoa como foi nos tempos de João Bastista, ou um mover profético da igreja num todo? Mais uma pergunta. No seminário onde curso teologia, temos estudado o livro, “A Bíblia e o Futuro” de Anthony Hoekema, você conhece este livro, qual seu comentário? Você conhece outros livros sobre o tema que poderia indicar? Desculpe pelas tanats perguntas, espero que responda, um abraço. Deus abençôe

  4. Hugo permalink*
    20 de outubro de 2009 16:49

    Olá Pedro,

    Obrigado por sua visita.

    Penso que quando João Batista veio, Deus somente tratava com a nação de Israel. Mas agora que a promessa foi estendida aos gentios, Elias terá que ser levantado às nações. Minha convicção é a de um mover que levantará uma companhia profética ao redor do mundo, para profetizar à Igreja e à Israel, simultaneamente.

    Não li a obra a qual você se refere, mas se vocês estão lendo Hoekema, presumo que sejam de orientação reformada. Hoekema era um defensor do amilenismo, uma visão da qual particularmente discordo. Como pré-milenista/pós-tribulacionista, não tenho um autor ou obra em particular que poderia recomendar-lhe no momento. Infelizmente, o pré-tribulacionismo se disseminou de tal maneira nos EUA, e nos países que foram evangelizados por missionários americanos, que o mercado está infectado por coisas como “Deixados Para Trás” e afins.

    Se alguém aqui puder recomendar alguma obra em portugues que explique a visão pós-trib, eu também agradeceria.

  5. Evelin Olívia Fróes permalink
    20 de outubro de 2009 20:44

    A vinda de profetas me enche de esperanças, pois é uma oportunidade para conversão, salvação e regeneração. E, é claro, não combina com a doutrina pré – tribulacionista. Ainda bem!

  6. Diane Liz permalink
    22 de novembro de 2009 21:08

    Parabenizo o irmão pelo estudo, pois vejo que a Igreja não está se preparando para a grande prova que irá purificar a Igreja. Este argumento da vinda como ladrão, pode ser desfeito quando lemos em II Pedro capítulo 3, quando o mesmo escreve:
    “MAS O DIA DO SENHOR VIRÁ COMO O LADRÃO. OS CÉUS PASSARÃO COM GRANDE ESTRONDO, E OS ELEMENTOS ARDENDO SE DESFARÃO, E A TERRA E AS OBRAS QUE NELA HÁ, SERÃO DESCOBERTAS”

    Se vem com grande estrondo, os elementos em chamas se desfarão como pode ser secreta? Será inesperada, mas nunca secreta.

    Paz de Cristo a todos.

  7. Lucas permalink
    1 de dezembro de 2012 10:25

    Segue um link com um estudo da IHOP LONDON ( International House of Prayer )
    busca trazer o entendimento sobre o final dos tempos, e refuta a doutrina do “escapismo”
    áudio para baixar e os estudos de cada mensagem em pdf

    http://www.ihoplondon.org/en/index.php?option=com_content&view=article&id=116%3Aunderstanding-the-end-times&catid=57%3Aconferences&Itemid=11&lang=pt

    Graça e Paz

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: