Skip to content

Além das Quatro Paredes

10 de agosto de 2009

Templos, sistemas de som, projetores, sermão, bandas de louvor, corais, coreografias, etc. Ao pensamos na quantidade de recursos, energia e tempo investidos em um evento que acontece apenas uma vez por semana, seria de se esperar que houvesse diversas diretrizes nas Escrituras para a realização de um culto. Mas, se analisarmos todo o Novo Testamento em busca de tais diretrizes, veremos que as Escrituras não dizem uma só palavra a respeito daquilo que hoje entendemos como “culto”. Definitivamente, o epicentro da fé cristã, de acordo com as Escrituras, não é um evento semanal.

catedral

Os únicos momentos de adoração e culto colocados juntos na Bíblia não têm nada que ver com sistemas de som, bancos, sermões ou bandas de louvor. É uma expressão de vinte e quatro horas, os sete dias da semana, da Vida de Cristo em nós. Em Romanos 12.1,2, Paulo escreve que devemos oferecer o nosso corpo para ser templo de Deus. Ele diz: “Rogo-vos, pois, irmãos pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”.

Quando você imagina a quantidade de recursos, energia e tempo investidos em um culto que acontece apenas uma vez por semana, trata-se de algo notável. Com toda a importância colocada nesse evento, seria de esperar que houvesse diversas diretrizes nas Escrituras para que as pessoas entendessem isso direito. Mas, se você pesquisar todo o Novo Testamento procurando preceitos ou proibições eu tenham que ver com este importante evento semanal, verá que não existem. Em vez disso, encontrará versículos, capítulos e livros inteiros que falam que devemos viver juntos como uma família espiritual. Você encontrará ordens e proibições de como servir e adorar, mas não apenas uma vez por semana. Como nos afastamos tanto das puras e simples prioridades das Escrituras!

Willian Law foi um escritor e místico inglês do século 18 que publicou uma obra informativa sobre John Wesley e o movimento de plantação de Igreja Metodista. Ele fez esta observação há muitos anos, o que atingiu na cara os seus contemporâneos, assim como provavelmente acontece atualmente: “É muito interessante que não há em todo o Evangelho uma só ordem sobre adoração em público; e talvez esta seja a tarefa menos reforçada em toda a Escritura. A presença de freqüentadores nunca é mencionada no Novo Testamento, ao passo que religião ou devoção que deve governar as ações comuns de nossa vida é encontrada em quase todos os versículos da Escritura. Nosso abençoado Senhor e seus discípulos estão honestamente ocupados com doutrinas que dizem a respeito com a vida diária”.

Descobri que tantos anos dirigindo shows na igreja nas manhãs de domingo pode ter gravado em nossa mente um entendimento de igreja que não é necessariamente bíblico. Achamos praticamente impossível até mesmo pensar em uma igreja sem um culto matinal de domingo, mas esta não é uma norma bíblica. Quando lemos sobre a vida da igreja, introduzimos esta idéia no texto das Escrituras. Tente ler o Novo Testamento com outros olhos. Tente imaginar a igreja do Novo Testamento sem um culto semanal. Na verdade, há muito mais evidências de que os crentes se reuniam com suas famílias cristãs diariamente, e não uma vez por semana – e a reunião tinha mais que ver com uma refeição juntos do que com uma liturgia racional.

Como chegamos ao lugar em que igreja nada mais é do que um culto de apenas uma hora ou um pouco mais, sempre no mesmo lugar? Falo com certeza de que, aos olhos de Jesus, a igreja é muito mais do que isso! Ele não limita a sua igreja a um prédio, a um lugar ou a um período de tempo.

Extraído do livro Igreja Orgânica, de Neil Cole, via Reis & Sacerdotes.

Anúncios
One Comment

Trackbacks

  1. JESUS NÃO MANDOU ABRIR IGREJAS | EVANGELHO SEM RELIGIÃO

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: